24.11.11

Hoje, dia de greve geral, não fiz greve mas fiquei a trabalhar em casa

Esta tem sido uma semana como tantas e nem as comidas destoaram. Vulgares, quase chatas de tão vistas. foram salvas pelo resumo que foi hoje ao almoço.

Hoje, dia de greve geral, não fiz greve mas fiquei a trabalhar em casa.

Não fiz greve porque não tenho razão de queixa do meu empregador (dos últimos 26 anos), e por isso não vou descarregar nele aquilo que me move contra estes salvadores da Pátria, que se confundem com os que a enterraram até ao ponto da sobreposição total.
Adiante.
Só voltarei a falar aqui de governos, se me quiserem impedir de cozinhar ou se acabarem de vez.

Cá por casa as refeições mais recentes foram:

* febras
* frango frito (como se fosse carne de porco à alentejana)
* grelhada mista(entremeada, salsichas frescas e chouriço) com batatas a murro e couve

e de tudo isto havia "restinhos" no frigorífico.

Ainda para mais, amanhã há cá um jantar "grande" e nesse espírito olhei para o frigorífico como quem quer deitar coisa fora.
Alinhei as caixinhas e pensei. Aqueles restos variados, partidos em pedaços semelhantes e salteados em azeite e alho, com louro e um golpe de vinagre ficavam bem, misturados com umas batatas fritas em cubos pequeninos...
E aquele saco com o resto da couve?
Só se fizesse antes um arroz e assim podia migar a couve e juntar ao dito, De caminho iam também pró tacho os restos de feijão encarnado da sopa de ontem.

E fiz assim: Frigideira ao lume com 2 dentes de alho e 1 cebola(picados), azeite, 1 colher de café com sementes de cominho, 3 cravinhos e 1 malagueta.
Juntei as carnes e a couve e salteei tudo junto. Temperei com sal, pimenta e 1 colher de chá de garam masala
Juntei o arroz e pouco depois a água. Dei-lhe 10 minutos para se aprontar e antes de comer espremi em cima meia lima e juntei umas gotas de piripiri
 

13.11.11

Kofta Kari

Eu vou a uma festa de anos no próximo sábado e cada pessoa leva algo que se coma. Eu vou fazer Kofta Kari. que é como quem diz, caril de almôndegas.
Aqui fica a receitinha para quem se quiser abalançar:




750g carne picada (500g vaca + 250g porco)
1 cebola picada
1 c de café gengibre em pó
2  c de sopa de coentros frescos picados

masala:
1 c de café com cominhos(sementes)
1 c de cha com coentros(sementes)
1/2 c de café com funcho(sementes)
5 cravinhos
5 pimenta da jamaica
1/2 c de café pimenta preta
1/2 pau de canela

Tostar as especiarias a seco numa frigideira e depois moer

Misturar a carne com tudo o restamte e adicionar  o sal, 1 c de sopa
de pão ralado e 1 ovo batido

Deixar a mistura descansar durante 30 minutos e depois fazer as almôndegas que se salteiam num pouco de óleo e se guardam até estar o molho feito.

Molho.
3 c de sopa de óleo
2 cebolas picadas
1 c de chá com alho picado
1 c de chá com gengibre picado
1 tomate sem pele e picado

masala:
 *  2 c de chá com cominhos
 *  2 c de cha com coentros moídos
 *  1/2 c de chá com curcuma
 *  5 cravinhos (moídos)
 *  5 grãos de pimenta da jamaica (moídos)

1 iogurte natural
250 ml leite de coco
sal
coentros frescos
2 chávenas com ervilhas

Alourar bem a cebola no óleo, mexendo sempre para não queimar.
Quando estiver alourada juntar alho, gengibre e sal. Mexer e deixar refogar durante 2 ou 3 minutos
Juntar o tomate e as especiarias moídas (podem ser substituídas por 1,5 c de sopa com uma mistura para caril).
Deixer fervilhar durante 5 minutos.
Juntar 1 copo de água misturado com 1 iogurte natural e moer tudo com a ajuda da 1-2-3.
Provar e corrigir o sal - se estiver muito ácido juntar 1 pitada de açúcar.
Juntar o leite de coco e quando este levantar fervura, deitar as almôndegas e as ervilhas congeladas.
Passados 5 minutos apagar o lume juntar coentros frescos picados e servir com arroz branco

Salsichas frescas

Já tinha saudades dumas salsichas frescas cozidas, com toucinho, couve, batatas, cenoura e hortelã, e o seu arrozinho do caldo, à parte.

E no dia seguinte fiz do que sobrou umas sopas, claro, que o tempo está mesmo a pedir sopas (e descanso).

Pãnito migado para a tigela. Um nadinha de alho picado. 3 ou 4 pés de hortelã e por cima o caldo fumegante, ainda com alguma carne e folhas de couve que eu antes migara para que tudo se pudesse comer apenas com a colher.
Acabei com uma pitada de pimenta preta e um fiozinho de azeite.
Uma coisa mesmo boa. Dessas que não servem nos restaurantes    

10.11.11

Maionese de raia

Eu e a princesa adoramos raia. Alhada, frita ou uma bela maionese como foi o caso, desde que a raia seja bem fresca e não esteja demasiado cozida, é perfeito. Nunca fiz esta Raia com molho de Pitau mas hei-de fazer em breve.
Para cozer a raia, levei ao lume uma panela com água suficiente, sal, uma cebola, um dente de alho,pimenta, e salsa. Quando começou a fervilhar juntei a raia, que antes levara sal e deixei que cozesse durante 5 minutos.
À parte cozi meia dúzia de batatas pequenas que parti em quartos e temperei com um fio de azeite.
Limpei a raia e juntei-lhe sumo de 1/4 de limão e um fio de azeite
Fiz uma maionese simples  (com a 1-2-3!!!), a que juntei meio dente de alho.
Misturei tudo e juntei salsa picada e muitas alcaparras. Foi para o frigorífico ganhar juízo e serviu de jantar para o pai e a filha. Os outros presentes terão comido qualquer coisa sem interesse :)

7.11.11

...Com Poejos e Outras Ervas

Tenho andado entretido com o excelente "...Com Poejos e Outras Ervas" de A. M. Galopim de Carvalho. Um relato emocionante e emocionado de memórias em volta da gastronomia Alentejana e não só, que inclui muitas e variadas receitas.
Já tenho o livro há alguns anos, mas nesta recente repescagem, abri no capítulo "Pão nosso de cada dia" e li a parte das sopas como se nunca lhes tivesse posto os olhos em cima.
Foram as sopas (da mãe) do Maurício - pensei - que apareceram entre as primeiras leituras e esta última, mudando o meu entendimento do assunto e preparando o meu palato cerebral para esses aromas feitos apenas de palavras alinhadas no papel.
Belas sopas essas, mais secas ou menos secas, mais ricas ou assustadoramente pobres, mas sempre despertando memórias antigas, não de partilha - há pouco ou nenhum  Alentejo recente no meu sangue -  mas uma memória de panelas fumegantes, invernos longos e escuros, e uma infância cheia de família em que os anos eram marcados pelas grandes datas, que nessa altura não eram o início do campenato nacional de futebol, o próximo Harry Poter, ou um novo telemóvel, mas sim, o Natal, as férias grandes, as festas de anos em geral...
Dá-se esta volta para regressar ao passado recente. Um mês atrás. Umas sopas de grão e codornizes, umas sopas onde se misturam o Algarve, o Alentejo e a meu gosto por esses pequenos pássaros de carne delicada.

As sopas


Demolhei o grão e cozi-o com uma cebola, 2 folhas de louro e 2 ou 3 cravinhos. O sal entra só no final para não enrijar a pele ao grão. Depois de estar o grão cozido, é só escorrer e guardar em separado os granitos e o caldo,
Quando pus o grão de molho em preparação para o cozer, também temperei as codornizes com sal, pimenta, alho picado, folha de louro e vinho branco, para marinarem durante a noite. NA altura de cozer o grão, escorri os passarinhos e salteei-os numa mistura de azeite e banha. Uma vez alourados, ficaram a descansar para depois poder retirar a carne do peito, guardando o resto para o caldo.
Para as sopas, o caldo é o mais importante e deve só por si justificar a refeição. Corei em azeite tudo o que sobrou das codornizes e juntei 3 dentes de alho , 2 cenouras, 2 cebolas, sal e pimenta. Fui mexendo tudo para ganhar cor sem queimar e por fim cobri com água. Fervilhou durante meia hora  e foi escorrido.

Para (finalmente) fazer as sopas, cortei um pão alentejano pequeno em fatias finas que arrumei na terrina. Sobre o pão dispus a carne desfiada das codornizes, o grão aquecido, um dente de alho picado, um fio de azeite, uns bem frescos e aromáticos pés de hortelã e cobri com uma mistura do caldo dos ossos das codornizes e caldo de cozer o grão.

Levei a terrina para a mesa, dei-lhe um minuto para o pão ensopar o líquido e, de colher na mão, foi um vê se te avias.

Viva o Alentejo

5.11.11

Jamie Oliver

Estou a gostar daquilo que já vi do novo programa do Jamie Oliver -  Jamie's Great Britain. Fala daquilo que sabe e daquilo que é. Neste pequeno video também dá para perceber os meios envolvidos nestes programas...
http://youtu.be/5Fn87hhyFCk
Ando há muito sem receitas a sério por aqui, e já há reclamações, amanhã será