27.12.05

Até 2006 - eu volto!

Fiz comida , fiz muita comida, mas não tenho tempo para contar, pois vou estar sem computador durante uma semana . Qundo regressar direi das tostas com doce de cebola e queijo de cabra , e das que levavam pasta de azeitona e espadarte fumado , hei-de contar tudo sobre um frango no sal , um tamboril enrolado em presunto , umas beringelas revisitadas e aquele arroz com cajus e açafrão . Talvez até conte como fiz uma espécie de cheese cake ( Ana , ainda não decidi se aquilo merece relato … )

25.12.05

Berbigão

Este bivalve que muitas vezes é tratado de forma injusta, sempre foi dos meus preferidos . Toda a vida comi arroz de berbigão em casa e aquelas travessas de berbigão cheias de molho nas cervejarias ( muitas vezes, apenas por ser o petisco mais barato e no qual se podiam ensopar 1 ou 2 pãezitos… ) .
Quando comecei a ir de férias para as Cabanas ( Tavira )  , dediquei-me às ostras e conquilhas (estas últimas tão fáceis de apanhar) como quem encontra um novo amor , mas volto sempre à antigo paixão, que se vai renovando de tempos a tempos.
Um destes dias, vi na TVE um grande chef basco , Martín Berasategui, preparar um prato de bochechas de bacalhau com berbigões que me deixou a salivar . Entre outras coisas retive a técnica por ele usada para preparar os berbigões e usei-a hoje para fazer uma versão melhorada das travessas de berbigão da minha adolescência .
Depois de ter lavado os berbigões , levei uma panela ao lume , e aí fui deitando os berbigões aos poucos , retirando-os assim que abriam , isto é , quase como se estivesse à pesca  , deixei-me estar de colher em punho a olhar para a panela e assim que via um bicho a abrir retirava-o . Depois de todos estarem abertos, deixei a água que os berbigões tinham soltado, reduzir para metade e só então apaguei o lume e reservei a líquido para usar depois   .
Refoguei ligeiramente uma cebola , e deitei-lhe um copo de vinho branco . Quando mal se via  vinho , juntei 50 ml de natas , as quais misturei bem com a cebola e mexendo com 1 garfo deitei a redução do líquido dos berbigões, a  qual vai aumentar o sabor e também trazer o sal necessário, ( não deve ser preciso juntar mais) , juntei 3 ou 4 colheres de sopa com coentros picados e os berbigões . Envolvi tudo e passado 1 minuto apaguei o lume .
Os berbigões ficaram óptimos , quase crus , muito suculentos e , se calhar,  nem precisavam do molho …

23.12.05

Quase Natal

Depois de ter lido no  BBC – Food , o especial Christmas com 1 monte de bons conselhos resolvi fazer tudo ao contrário, assim :

Eles diziam para fazer uma lista com tudo o que se quer cozinhar e os ingredientes necessários . Eu não a fiz e por isso já hoje fui 1 vez à praça e 4 vezes ao super mercado

Lá dizem para cozinharmos coisas que já antes tenhamos experimentado e eu vou fazer pratos que só conheço por ter lido a receita  

Por cima de tudo, estou a estrear a cozinha e só pouco é que percebi que o fogão não estava estragado, apenas tinha a electricidade cortada no quadro !!!

Depois virão as receitas .

21.12.05

A cozinha

Dizem-me que amanhã estará pronta a cozinha , será que ainda dá para fazer um jantarito de Natal ?

Melhor Blogue Para Ficar Com Água Na Boca

Esta cozinha teve direito a 1 dos 500000 prémios com que o Contra-Indicado distinguiu quase todos os blogadeiros nacionais . O verdadeiro prémio deve ir para ele , pela paciência ao elaborar a lista , pela imaginação que mostrou nos nomes dos prémios  - por exemplo o “Melhor Uso da Linguagem de Estivador em Blogues Femininos” atribuído à Rititi  , ou “Melhor Blogue Político Com Pelo Menos 52 Posts Diários ” , que calhou à Loja do Queijo e pelo orçamento que lhe permitiu oferecer estatuetas com banho a ouro ( 24 quilates) .

19.12.05

Está tudo óptimo

Recebi este mail há algum tempo,  mas os afazeres distraíram-me e tenho-me esquecido de fazer o post e de comprar o livro . Feita a divulgação , já só me falta ir comprá-lo
  Olá,Venho falar-vos de um livro de receitas para crianças, que acabou de ser editado através da editora Sopa de Letras, pela Acreditar - Associação de Pais e Amigos das Crianças com Cancro. Vai estar à venda directamente na Acreditar (R. Prof.Lima Basto nº 73 em frente do IPO) ou nas livrarias já a partir da próxima semana (21 de Novembro). Não deixem de o comprar para oferecer aos vossos filhos, sobrinhos, afilhados, primos, e amigos... e ao mesmo tempo ajudarem uma boa causa. Se puderem, divulguem a familiares e amigos.Obrigada a todos,PedroNota final: Foi um desafio, um privilégio e um prazer participar neste projecto desde o início. Agora é a vossa vez de ajudar as crianças que precisam da ACREDITAR ou de Acreditar num futuro, no futuro que não consegui dar à minha filha. "está tudo óptimo" respondia frequentemente a minha filha Joana quando lhe telefonavam "está tudo óptimo" é uma historia inventada sobre a Joana e a Madalena no mundo da culinária. "está tudo óptimo" é uma pequena homenagem a todas as Joanas e Madalenas que já não estão fisicamente no nosso dia-a-dia.

15.12.05

Memórias - Chamuças na Av. de Roma

De repente lembrei-me de um restaurante indiano que havia numa transversal da avenida de Roma , onde no início dos anos 90 eu e os meus amigos íamos com alguma frequência . Não tenho a certeza do nome , mas talvez fosse Delícia Oriental .

Aí serviam muita coisa boa . Por exemplo faziam um excelente biriani ( arroz com especiarias , vegetais etc) , e serviam um Chicken Tikka completamente carmim , tinham uns chapatis que se comiam sem parar embora a receita divergisse muito da  original , etc. .

Mas aquilo de que me lembrei há pouco, foi das óptimas chamuças que eram servidas com um pratinho de iogurte , cenoura ralada e alho picado ( tanto quanto me lembro ) , uma espécie de raita que combinava muito bem com os ditos pastéis .  

Post Scriptum: este post é para o meu primo Rui, que provavelmente foi quem me levou lá da primeira vez e comigo lá voltou muitas outra,  até a casa fechar .    

12.12.05

Maria Teresa

A  mãe  da Lu já não está entre nós. Dei por mim a pensar que ela deve ter sido a pessoa que mais elogiou os meus cozinhados. Tudo lhe parecia bem , quer fossem umas simples migas , um bacalhau no forno ou uma massa qualquer . Por saber que ela gostava , fiz duas ou três vezes , arroz doce , que nunca me saiu grande coisa , mas nem por isso regateou elogios .  
Tenho pensado também na sua mousse de chocolate , no salame de chocolate com pedacinhos de amêndoa ou pinhões pelo meio das bolachas , e na marmelada que ela tão bem fazia , da qual ainda há algumas tigelas, que por certo serão comidas pela minha filha . Procurei a receita dessa marmelada num caderno que ela me dera há algum tempo e o que encontrei foi isto :
“Para 1 kilo de açúcar , 1 Kilo de marmelo , o açúcar deve ser em ponto de cabelo a voar ”
Não me parece que eu consiga fazer marmelada com esta receita, mas tenho por aí outras e por certo farei umas tigelas de marmelada um dia destes , até porque está na altura de a fazer . Talvez ela me sopre ao ouvido a técnica certa .
Um beijo de saudade e boa viagem .  

9.12.05

Choco e Polvo - Museu gastronómico virtual

Para participar nesta ideia do Cocinália , escolhi o grande artista maiorquino Miquel Barceló. Um choco e um polvo , dois moluscos tão vulgares na península ibérica, que se prestam a tantos tratamentos culinários , e que aparecem aqui imortalizados pelo artista.

6.12.05

Os chocos do Barceló - ainda na cozinha da São

Depois do convite para participar no Meme do Cocinália aqui vai a receita dos chocos com batata doce , dedicada ao grande Miquel Barceló  .
Trata-se de um prato de chocos guisados, que começa com umla reunião de 4 colheres de sopa com azeite , um dente de alho picado , uma folha de louro e ½ pau de canela . Em tempos li que se devia deixar o alho repousar 10 minutos no azeite antes de acender o lume , para que não se perdessem propriedades do famoso e tão “mal oliente” como indispensável vegetal  . É mais uma daquelas coisas que faço mas não sei bem porquê. Terminado o repouso do alho , acendi o lume e quando a agitação começou , juntei uma cebola grande picada e ¼ de pimento verde também picado . Durante os 20 minutos seguintes fui mexendo “de quando em vez  “ e com aquela sabedoria que vem dos meus “ egrégios avós “ , acabei por achar o momento exacto para adicionar uma lata de tomate pelado ( dispenso os comentários dos defensores do tomate fresco , estamos em Dezembro e o tomate de lata é muito bom ) daquele que já vem picado , uma colher de café com açúcar , outra igual com pimenta de caiena , outra , mas de chá , com colorau , mais uma com oregãos , o sal necessário e 1 copo de vinho branco . Ferve sem tampa durante 15 0u 20 minutos e depois junta-se uma embalagem de choquinhos já limpos e ½  quilo de batata doce às rodelas . Fica em lume brando e com a tampa posta até as batatas estarem cozidas , o que vai demorar pelo menos 20 minutos . Antes de apagar o lume é melhor verificar os temperos e corrigir o que for necessário .  
Se , este petisco for deitado num pratinho , e aí encontrar 2 fatias finas de pão de mistura , só lhe faz bem . Viva o Miquel Barceló !
    

5.12.05

arte & gastronomia

Veio do Cocinália a sugestão de juntando arte & gastronomia, fazer no dia 11 de Dezembro um museu de blogues , dedicado a este assunto .
Ao ler o email dele , lembrei-me logo do fantástico artista balear, Miquel Barceló , e assim , nesse dia , aqui poderão ver as imagens de um dos seus polvos em cerâmica e um choco em aguarela . Para criar esse elo referido no tema , amanhã deixarei aqui uma receita ( simples ) de chocos e depois  as imagens .

A cozinha adiada

É difícil fazer coisas que mereçam ser contadas , quando se tem 2 panelas , 1 frigideira e 1 colher de pau . Claro que vamos comendo coisas boas , fiz um lombo de porco que ficou bom e o arroz com brócolos estava óptimo – uma espécie de pulau – fiz molho à bolonhesa para comer com esparguete  , alheira com ovos mexidos ,  carne de porco frita com migas para acompanhar … coisas assim que toda a gente conhece e sabe fazer , Continuo à espera do regresso à minha cozinha , mas não vai ser esta semana .
No sábado fui ao Martim Moniz comprar pasta de tandoori para fazer o “frango à benfiquista ”  ( é o nome que damos ao frango tandoori )  que o meu filho tanto gosta. Aproveitei a visita e comprei também 1 pacote de chana dal (uma espécie de grão ) e outro de caju ao natural para fritar e adicionar ao pulau de brócolos, que vai acompanhar o frango .
Para a receita  do arroz também vão ser precisas sementes de mostarda preta , umas sementes que se vendem nos supermercados indianos  , aliás esses supermercados merecem a visita mesmo que seja apenas para comprar pimenta , cominhos ou cravinho pois aí as especiarias são muito mais baratas .  
Há supermercados destes nos dois centros comerciais do Martim Moniz e há outro no CC Mouras .  O que eu mais frequento é o
Nita no 1º andar do Centro Comercial da Mouraria , onde há de tudo , desde chutney de tamarindo  , até ao óleo para perfumar o cabelo , passando por uma enorme variedade de especiarias , bebidas e utensílios de cozinha .