29.8.05

As migalhas dos outros

Os restos de pão , mais ou menos desfeitos , inspiraram  alguns dos leitores deste blog e mais uma vez vou promover os comentários , para que não se percam .
O meu amigo Taborda recordou-se do Jamie Oliver e escreveu

A histórias do miolo de pão com massa resulta mesmo. Eu já experimentei uns que se fritam em azeite com tomilho e se comem com pasta aromatizada do seguinte modo: numa colher generosa de azeite fritam dois dentes de alho picados e uma malagueta às rodelinhas. Desfazem-se 3-4 filetes de anchova e quando começam a estar em puré, rega-se com sumo de 1/2 limão. apura-se e envolve-se a pasta com este molho. Por cima, as migalhas de pão fritas com tomilho (tb pode ser alecrim).

O Nuno Diniz recomenda a patata miga :

Vi um DVD chamado "Los Fogones Tradicionales" (uma recolha de cozinha rústica), onde a certa altura se prepara "patata miga".A saber:Cortam-se batatas aos quadrados pequenos, Fritam-se em pouco azeite. Quando estão quase prontas, deit(image placeholder)a-se uma cabeça de alhos amolgada, e pão cortado aos bocadinhos. Junta-se sal e deixa-se fritar até dourado.Já experimentei. É excelente.

E para acabar uma variante dos bifes panados , descrita por Mers

Simplesmente besuntar uniformemente uns medalhões de porco com azeite e passar os ditos pelo pão esfrangalhado... ou melhor, apertem bem! para ficar com uma camada bem grossinha de migalhas! Vai a grelhar numa frigideira untada com azeite.Combina bem com os mais variados temperos adicionais. Inventem ou temperem a carne só de sal. O suco da carne vai ajudar a prender o pão.Fica estaladiço, suculento, uma delícia!

  

23.8.05

Food Bloggers

Blogs de todo o mundo , dedicados à gastronomia , assinalados num planisfério interactivo

22.8.05

Espaguete ? Julgava que era esparguete !


Voltando ao milagre de pão ralado ligeiramente frito e misturado noutra coisa , chegou a vez do spaghetti . A primeira vez que li sobre estes mini-mini-croutons foi num livro do Nigel Slatter e achei estranho . Fritar pão ralado e juntar ao spaghetti pareceu-me então uma daquelas patetices que nascem na cabeça dos ingleses , por via do nevoeiro ou dos muitos meses de chuva . Uma ideia sem futuro .
No entanto todas as receitas que eu experimentei desse livro eram boas , e depois encontrei as mesmas ideias num livro do Jamie Oliver e a coisa começou  a deixar-me intrigado . Um destes dias escrevi aqui que fizera os cogumelos do Jamie , com o tal pão ralado e gostei tanto que depois disso já repeti 3 ou 4 vezes . Agora chegou a vez do spaghetti .
Este fim de semana , por me encontrar sózinho em casa ( hi Macaulay ) , decidi reciclar um  spaghetti com almôndegas que fora o jantar 2 dias antes .  Perante esta refeição de mera sobrevivência lembrei-me das migalhinhas fritas e avancei nessa direcção .
Escolhi um pão duro e transformei-o em migalhas irregulares ( nem pó , nem tarolos ) usando o 1-2-3 . Coloquei uma frigideira com 3 colheres de azeite ao lume , piquei um dente de alho lá para dentro e quando o alho começou a cantar deitei o pão ralado . Enquanto o pão absorvia o azeite quente e ia ficando dourado , eu ia mexendo a mistela que depois temperei com um pouco de sal e uma colherada de  orégãos. Como o pão não se quer queimado esta operação não admite grandes distracções .
Noutra frigideira despejei o triste conteúdo do  tupperware , ou seja ,  a massa da antevéspera , com as suas almôndegas entomatadas  , deitei duas colheres de sopa com água e assim que o parco molho começou a borbulhar apaguei o lume , juntei as migalhas fritas e fui logo comer .

Querem saber mais alguma coisa ? É bom , é mesmo muito bom . Custa a acreditar .  
    

Um melão maduro

O melão que eu comprara na semana anterior já estava maduro , mas como a família está no Algarve , se eu abrisse o melão para comer uma talhada ou duas , o resto ia acabar no lixo , e assim sendo resolvi improvisar uma sopa fria . Descasquei e parti o melão , e deitei-o no copo misturador , juntamente com 2 fatias de pão , 2 colheres de sopa com azeite , 1 colher de sopa (mal cheia ) com vinagre , 10 folhas de manjericão , sal e pimenta e cubos de gelo . Experimentem !

12.8.05

O molho transmontano para polvo

Todos os comentários são interessantes , mas alguns merecem ser promovidos ,para não ficarem na caixita dos comentários de onde desaparecem passado algum tempo , por causa das restrições desta tecnologia grátis que eu uso . Assim sendo , o comentário feito pela Maria (mariapimm) descrevendo um curioso molho para o polvo cozido, fica aqui para que os interessados possam ler . Lembrei-me de um molho que se usa em Trás-os-Montes para acompanhar o polvo cozido que além de delicioso tem um ritual simpático... é assim: Deita-se um fio de azeite no prato, espeta-se um dente de alho, ligeiramente esmagado, no garfo e passeia-se pelo azeite o tempo que der na vontade, depois acrescenta-se uma pitada de colorau e continua-se o passeio do alho, em seguida uma generosa concha de água de cozer o polvo ainda bem quentinha. Por cima deste molho colocam-se o polvo e as batatas. Também há quem esmigalhe gema de ovo. Experimentem ... vale a pena. Obrigado Maria , e se tiveres mais receitas assim , avisa .

10.8.05

Molho à espanhola

Enquanto deitava sobre os carapaus grelhados , aquela mistura a que chamamos "molho à espanhola" e que ninguém conhece em Espanha , pensei : De onde vêm estes equívocos ? -No Brasil há um prato chamado "Arroz de Braga" que em Braga ninguém conhece. -Há alguns anos serviram-me em Bruxelas "Tomate à portuguesa" , uma coisa feita com tomate e maionese. -Na China ninguém serve Chop Suoy. -... que mais ? Na Galiza fazem um molho com azeite , colorau e alho que pode estar na origem do molho "à espanhola" , mas o alho é frito no azeite e removido ,leva colorau mas não leva vinagre, nem cebola, nem louro ou salsa, leva àgua de cozer peixe e serve-se para regar peixe cozido com batatas .

8.8.05

Pão indiano ( well ... sort of )

O meu filho gosta muito de tudo o que se pareça com apas , chapatis ou nan e por isso eu por vezes experimento receitas que vou encontrando . Umas vezes ele gosta e outras nem por isso . Das ultimas gostou e eu também , por isso aqui fica a descrição. Misturei uma chávena de farinha de trigo , uma colher de sobremesa de “baking powder” , uma pitada de sal , meio iogurte magro , 2 colheres de sopa com óleo vegetal e 2 colheres de sopa com água morna . Com as mãos fui misturando , tendo o propósito de obter uma bola de massa que não se pegue às mãos, mas que ainda assim seja maleável , e por isso pode ser preciso juntar farinha ou água . Se assim for façam-no aos poucos para que o processo não se prolongue indefinidamente . A bola de massa deve descansar durante 1 hora após o que se dividem em 6 mini-bolas. Cada uma dessas bolas deve ser achatada à mão e depois ligeiramente tendida com o rolo da massa , procurando obter um círculo com 15 cm de diâmetro . Nesses círculos deitei uma pitada de sementes de cominho ligeiramente tostadas , depois dobrei os circulos ao meio e voltei a passar com o rolo da massa . Para acabar pus uma frigideira anti-aderente, sem gordura , ao lume e fui grelhando as rodelas . 2 minutos de cada lado com uma tampa posta . Servi esta espécie de nan , barrados com um pouco de manteiga .

1.8.05

Cogumelos - pt2

(continuação do post anterior) A seguir prepara-se o pão ralado, se possível com pão de véspera ( duas ou três fatias sem côdea ) , que deve ser destroçado pela 1-2-3 ou outra coisa do género . A ideia é conseguir migalhas regulares mas maiores que as do pão ralado de pacote . Depois de concluída esta tarefa é altura de acender o lume e , numa frigideira com azeite quente , alourar os cogumelos de ambos os lados . Feito isto tiram-se os cogumelos do lume e deitam-se os pés picados , juntamente com dois dentes de alho também picados . Fritam um pouco, temperam-se com sal e pimenta , e deita-se uma boa colher de manteiga ( eu nunca prometi dietas a ninguém ). Assim que a manteiga estiver derretida junta-se o pão ralado que vai absorver a gordura e , ao mesmo , tempo fritar até ficar bem estaladiço ( tipo micro torradas ) . Enquanto frita vai-se mexendo bem e no final junta-se salsa ( se for boa , fresca e cheirosa ) e tira-se a mistura do lume e reserva-se . A frigideira volta para o lume com mais um pouco de azeite , arrumam-se os cogumelos e deitam-se colheradas da mistura anterior dentro dos cogumelos . Na verdade eu acabo sempre por encher os cogumelos e depois deitar o resto onde calha , porque aquelas migalhas de pão estaladiças e cheias de sabor são muito boas .

Cogumelos pt1

Vamos lá então tratar de contar as aventuras dos cogumelos à grega que eu fiz. Há muitas receitas com este nome e esta é apenas uma delas ( ou mais uma ... ) , provavelmente se eu perguntar o nome disto ao Akis ele nem conhece a preparação . É uma coisa simples , mas que se for bem feita dá uma entrada muito boa . A primeira vez que fiz isto foi para uma jantar onde não era precisa a minha presença na cozinha, pois nesse dia a minha esposa tinha dito que o faria . No entanto , como ela não gosta muito de ir às compras pediu-me par as fazer e foi nessa altura que eu “achei” que faltavam cogumelos na lista e por isso comprei uma embalagem daqueles mais vulgares nos nossos supermercados . Mas não eram necessários ... Foi então que resolvi fazer uma entrada. Primeiro pensei em cogumelos , chouriço e ovos mexidos mas depois fui espreitar as receitas gregas . Encontrei uma muito simples e com bom aspecto .Foi essa que fiz . A primeira coisa que se faz é limpar os cogumelos , se possível apenas com um pano pois eles absorvem muita água ( na verdade um cogumelo é uma espécie de esponja ) , depois de limpos , tiram-se os pés com cuidado , basta dar um ligeiro abanão antes de puxar e o pé sai inteiro deixando a campânula à vista . Os pés podem ser de imadiato picados . (to be continued ... )