29.3.05

Uma perna de porco à moda do Jamie Oliver

Comida para 20 sem escravatura para ninguém , foi o pedido . Um presunto de porco no forno foi uma das respostas. A ideia é temperar a carne e colocá-la no forno durante umas horas que podem ser aproveitadas para escrever um argumento , ir passear o cão ou dormir a sesta . A perna Quanto à perna do bicho, é preciso começar por ir ao talho e aí pedir uma, com peso suficiente para alimentar o quartel que convidaste para comer . Depois tens de dizer ao senhor da bata branca que tire a pele e o osso , insiste que seja ele a fazê-lo porque senão é uma trabalheira enorme . Com essa peça de carne limpa ( 5 quilos ? ) podes ir para casa e tratar dos temperos. Os temperos 2 colheres de sopa com sementes de funcho 2 colheres de sopa com sementes de coentros 1 colher de sopa com sal grosso Usando um almofariz moer bem as sementes e o sal . 1 mão cheia de salva ( não é salsa !) fresca 1 mão cheia de rosmaninho fresco 3 colheres de sopa com azeite Usando o mesmo almofariz esmagar um pouco as ervas e depois juntar o azeite . Se não arranjares a salva então pode ser manjerona , orégãos ou tomilho , mas frescos se possível . O rosmaninho rouba-se num jardim . Voltando à carne Como a carne está desossada pode-se temperar dos dois lados . Antes disso , com uma faca afiada , fazer uns cortes ligeiros ( 6 ou 7 de cada lado) por toda a superfície e depois distribuir a mistura seca dos dois lados . O tabuleiro Untar o fundo de um tabuleiro com azeite , depositar aí a carne, que deve ser enrolada para recuperar aproximadamente a forma inicial e depois barrada (só por fora )com as ervas e o azeite . Para acabar é preciso esmagar ligeiramente uma cabeça de alho e distribuir os dentes pelo tabuleiro. A sesta Pode demorar entre 4 a 4 1/2 horas , pois esse é o tempo que a carne vai passar no forno que deve estar a 200ª ( corresponde ao 6 ) . Depois de apagar o lume, deves deixar a perna do reco descansar 10/15 minutos , e só passado esse tempo começar a cortar nacos fumegantes da cheirosa e húmida carne . Fogo , isto parece aquelas festas no final dos livros do Astérix ... Acompanhamento Para acompanhar há muitas possibilidades incluindo as batatas fritas de pacote , batatas assadas no forno - basta lavar as batatas , dar-lhes um golpe e depois deitar um pouco de sal grosso por cima , ou cozer batatas e antes de servir salteá-las , esta ultima solução é um pouco mais trabalhosa mas tem a vantagem de ser menos stressante , isto é , podem estar as batatas cozidas antecipadamente e no final é só aquecer um pouco de manteiga juntar as batatas , abanar o recipiente e ao fim de 2 ou 3 minutos juntar salsa picada e apagar . Depois podem-se juntar coisas como azeitonas , alcaparras , tomate cereja ou então fritar quadradinhos de bacon e saltear as batatas nessa gordura , etc etc .... Se não ficar bom a culpa é tua !

28.3.05

Disse ela : - Arranja-me aí uma solução para um almoço com 20 pessoas . Daqueles em que não passo os 3 dias anteriores na cozinha...

Um almoço para 20 que exclua o cattering ? Bem ... eu faria uma enorme tabuleiro de qualquer coisa que se pudesse pôr no forno 30 minutos antes da refeição . Exemplos ? Empadão de puré de batata , bacalhau espiritual ” , um arroz à valenciana ou mesmo um arroz de pato , embora fazer arroz para 20 implique uma panela muito grande . Feijoada é uma boa solução pois não dá grande trabalho e melhora ao ser aquecido . Uma perna de porco no forno que pode ser acompanhada por batatas assadas ? Esta última sugestão representa muito pouco trabalho , basta ter um forno grande ... Como o teu comentário é do dia 25 se calhar esta refeição já decorreu . Seria o almoço ou jantar de Páscoa ? Se assim foi terei de dizer : Tarde piaste ! Beijos

22.3.05

Há Chacuti no Digitalis

Está no Digitalis uma receita de Chacuti - Sexta-feira, Março 18, 2005 Confidências e Desabafos de Savarin( 73 ) - que me foi dedicada. Como em quase tudo há coincidências e acasos , capazes de dar "tempero" às histórias mais simples . No post vem referida a autoria da receita , o restaurante Arco do Castelo em Lisboa . Pois bem , tenho a informar que esse foi o primeiro restaurante indiano onde entrei , e antes de ser restaurante indiano já eu lá ia , pois nasci a dois passos daí . Na verdade a primeira vez que saí à noite com amigos limitei-me a subir a rua e ir aí beber uma groselha !!! Quanto ao Chacuti tenho duas coisas a dizer . Prometo que vou experimentar , mas na verdade , há mais de 15 anos que faço o chacuti com as embalagens da empresa "Os Quinhentos" , e tenho-me dado bem com isso . Já traz o côco torrado e vem com a receita, como de resto sucede com todos os (muitos ) preparados dessa marca que incluem misturas para Baji de batata , Xeque xeque de ameijoas , Sarapatel , Caril à Goesa etc etc .

14.3.05

Rentabilizando a visita de sábado ao mercado - ou 2 em 1 com chocos

Como o feijão é uma coisa muito apreciada pelos meus filhos , por vezes ponho feijão de molho sem saber ao certo o que vou fazer com ele , e desta vez assim foi . No sábado de manhã fui até ao mercado do Lumiar fazer compras , mas , como quase sempre , não ia à procura de nada em especial . O que eu gosto mesmo é deixar as couves , lulas , farinheiras e demais seres da panela falarem comigo e darem-me ideias . Nesse sábado foram os chocos . Não aqueles médios , com ou sem tinta , nem os pequenos que se fritam à algarvia , bem negros com sabores de alho e azeite, nem os outros minúsculos, apesar da CE, que os espanhóis fritam envoltos em farinha e que se comem às mãos cheias entre duas cañas . Estou a falar daqueles blocos brancos e grossos de choco que normalmente se guisam , mas que também se podem fritar envoltos num polme ligeiro . Isso mesmo ! Comprei 1 Kg por 3 euros e começou aí a festa . Decidi ir para casa fazer uns chocos guisados e para isso logo comprei cenouras , batatas , cebolas mais um molhito de salsa e outro de coentros , que o mais havia em casa . Na panela juntei o azeite , dois dentes de alho picados , uma cebola e deixei refogar um pouco . Depois juntei-lhe uma lata de tomate bem desfeito , sal e pimenta da Jamaica . Quando o refogado estava no limite que antecede o esturro , juntei os chocos partidos em pedaços mais civilizados para não assustar ninguém quando aparecesse com eles à mesa . Dei uma mexidela , pus a tampa e fui apanhar ar . (15 minutos depois) Regressei ao convívio com as panelas e logo destapei a dos chocos e voltei a mexer . Não sei se estas intervenções da colher de pau têm algum efeito nos alimentos mas eu gosto … Tendo concluído ( sei lá porquê ) que a primeira parte da preparação tinha terminado dividi o guisado por duas panelas e continuei assim : Panela A – Juntei batatas e cenouras aos quartos , e dez minutos depois juntei uma chávena cheia de ervilhas e coentros picados . Apurei o guisado durante outros 10 ou 15 minutos e ficou pronto Panela B – Juntei os feijões já cozidos ( em água c/ louro , cravinho e cebola ) , uma tira de pimento vermelho picado e orégãos … passados 15/20 minutos apaguei o lume . Panela C – Fiz um pouco de arroz branco para acompanhar Foi um sucesso . Estavam umas amigas da minha filha , daquelas que não gostam de nada e comeram . Confesso que estava desconfiado e como tal nunca ao longo da refeição mencionei a palavra CHOCOS .

7.3.05

1 tosta

fui à cozinha e depois de uma inspeção rápida peguei numa tosta , espalhei requeijão , esmigalhei duas nozes em cima do requeijão e depois .... mel ! Sabem que mais ? Já lá voltei duas vezes depois disso .

4.3.05

Pickles de figos secos

Um dos melhores ( e mais baratos ) livros de receitas que conheço é "Les 200 meilleures recettes de bistrot" da Patricia Wells . Receitas muito boas e diferentes do que por cá se costuma fazer , como é bom de ver , pois pelos lados do "jardim" , os franceses são poucos e "bistrots " não há nenhum ( mesmo que haja um ou outro restaurante com esse nome ) . Foi nesse livro que encontrei uns pickles de figos secos , recomendados para acompanhar o Patê de coelho com nozes , que também me chamou a atenção . Quanto aos figos tratei logo de os preparar pois é tarefa muito simples . Resta saber se resulta pois não sei se os figos secos dos franceses são semelhantes aos nossos , e se , quando a senhora escreve "usar um bom vinagre de vinho tinto " , é preciso ir à frogolândia comprar o dito . Em cima de 250 grs de figos secos deita-se vinagre para cobrir ( ou quase ) e junta-se depois 1 colher de sopa com açúcar ( eu usei do amarelo ) 4 cravinhos e 1 colher de café com canela em pó . Está tudo guardado num frasquinho com boa tampa , e à sombra . Daqui a 7 ou 8 dias eu posso voltar a falar nos figos , ou então calar-me sobre esse assunto ... Depois se verá