28.2.05

Caldeirada - receita

Os peixes da caldeirada , incluíam raia , safio e tamboril , mas com pena minha não havia fígado que é uma coisa fantástica e muitas vezes esquecida . Em especial do safio e do tamboril . Eu não tenho nada contra as espinhas , mas há quem tenha e assim decidi remover a maior parte , o que não é muito difícil quando se usa uma boa faca e se consegue tirar os dedos do caminho . As espinhas assim subtraídas às postas de peixes variados serviram para eu fazer um caldo de peixe com uma cebola , uma folha de louro uma colher de café com sementes de funcho ( apeteceu-me ... dá um sabor interessante ) e um pouco de sal . Enquanto esse chá de espinhas ia fervilhando , piquei as cebolas e o alho , deitei umas 4 ou 5 colheres com azeite para dentro da panela e juntei uma folha de louro e o cravinho . Esta é uma caldeirada falsa , já que na autêntica todos os ingredientes são reunidos ao mesmo tempo e em camadas , mas eu estava do contra .... Comecei a refogar a cebola e o alho picados e quando a cebola começou a mudar de cor juntei o tomate e mexi durante alguns (10 ? ) minutos . Entretanto deitei um pouco de caldo numa chávena e juntei o açafrão - eu sei que não se põe açafrão na caldeirada , mas põe-se na bouillabaisse e noutras misturas semelhantes - para ir abrindo e largando a sua bela coloração . Quem se juntou de seguida ao refogado foi o pimento ( apenas metade ) partido em 10 ou 12 pedaços , e aí suou durante uns 5 minutos até que o peixe lhe foi fazer companhia , tal como 3 chávenas de caldo já com o açafrão e as batatas partidas em rodelas . Quando as batatas estiverem cozidas pode-se apagar o lume e servir . Os coentros são um amor que levarei para o túmulo e como tal , antes de apagar o lume rectifiquei o sal e a pimenta e depois juntei os coentros picados - muitos, que são opcionais , claro .

24.2.05

Caldeirada - intróito

Para fazer uma caldeirada é preciso ir à praça fazer compras , por causa do peixinho , não o comprem no super-mercado da esquina pois não resulta . Ide lá à praça mais próxima , como eu fui , fazer as compras . Fica aqui a minha lista do sábado passado . 1 kg de Peixes para caldeirada 1 Pimento vermelho 1 molho de coentros 4 cebolas 1 lata de tomate ( no verão há tomate bom , agora não ) 2 dentes de alho 1 Kg de batatas 1 folha de louro 3 cravinhos 1 colh. de café com açafrão (estames) sal e pimenta azeite Depois escrevo a receita que é bastante simples .

21.2.05

Bambino d'Oro

Depois do texto do Miguel Esteves Cardoso no DNA de sexta-feira , só tenho uma coisa a dizer acerca deste restaurante: Visitar com urgência . Bambino d'Oro - R. Frei Carlos, 11 A - 1600 - Tel. 217959293

20.2.05

Tarte de acelgas e azeitonas pretas

Para a Helena - Digitalis Há pouco mais de 1 mês encomendei dois molhos de acelgas julgando tratar-se de uma espécie de espinafres ou algo assim . Claro que quando me entregaram os legumes , a única maneira de identificar as tais acelgas foi por exclusão de partes . Dá-se o caso de serem couves , umas folhas verdes , grandes e de pé esbranquiçado e volumoso . A questão seguinte foi tentar saber o que poderia fazer com aquilo e para isso recorri ao meu irmão , que começou por me informar que se tratava de “swiss chard” e depois deu-me umas ideias acerca de possíveis utilizações . O importante foi ele ter-me dito a iluminadora designação em língua inglesa pois assim pude aceder a muitas receitas , entre as quais estava esta tarte que é dedicada ao blog Digitalis . A primeira coisa que fiz foi ferver as folhas – 4 ou 5 folhas – durante 5 minutos , e depois de terem arrefecido cortei-as em pedaços médios ( lol , o que será um pedaço médio ? mas tinha de dizer qualquer coisa ,não é , pois bem , mais pequeno que meia folha e maior do que cortado para caldo verde … ) . A seguir lavei e cortei em rodelas 4 pés de cebola verde (spring onions) , que acho terem também o nome de cebolo e é na verdade uma cebola muito pequena - se não tivesse estas cebolas usava alho francês . Também descarocei uma chávena mal cheia com azeitonas pretas – por acaso usei uma mistura de kalamata grega e azeitona galega de cura artesanal . Forrei uma tarteira com massa quebrada e levei-a ao forno por 10 minutos para cozer a massa antes de lá deitar os ingredientes . O passo seguinte foi saltear as acelgas e a cebola verde em manteiga sem sal . Isto deve ser feita em lume médio durante 10 a 15 minutos sem deixar queimar . Entretanto juntei numa tigela , 2 ovos batidos , metade das azeitonas picadas , um requeijão desfeito com 2 ou 3 colheres de sopa com leite , as acelgas já amolecidas na frigideira e duas colheradas com queijo manchego ralado ( a receita dizia parmesão mas eu gosto muito de manchego … qualquer queijo de ovelha que seja duro serve ) . Temperei com sal , pimenta e um pouco de noz moscada , misturei tudo e despejei na massa de tarte . Depois deitei por cima o resto das azeitonas e outra dose de queijo ralado . Forno quente durante 30 minutos e já está . Com uma salada de alface temperada com uma vinagreta simples ( mostarda , vinagre , azeite ) foi um belo jantar . No dia seguinte voltámos a comer a tarte e mesmo fria estava muito boa .

15.2.05

Agradecimentos

Á Helena agradeço os bolinhos da sorte e o galo de Barcelos made in China . Quanto á receita está prometida . E agradeço à Maria a receita que deixou nos comentários e que hei-de experimentar em breve . Essa receita de frango foi encontrada no blog Mes Petits Plats Para as duas vão umas tâmaras recheadas com mascarpone , que são deliciosas , é só abrir as ditas , retirar o caroço e encher com o queijo ...

14.2.05

Chicken Tikka Masala - the recipe

Como eu escrevi no texto anterior , esta receita de Frango Tikka Masala é na verdade um 2 em 1 , primeiro prepara-se o frango , e eu fiz isso de véspera para ficar umas horas a tomar o gosto da mistura de iogurte e especiarias , depois grelham-se os pedaços de carne , se possível no carvão fazendo umas espetadas ou então no forno . No final junta-se este frango a um molho feito à parte . E foi assim que fiz : Misturei 1 iogurte ( cremoso e magro ) com o sumo de meio limão , uma colher de sopa de garam masala , uma colher de chá de curcuma , 2 dentes de alho picados , a mesma quantidade de gengibre fresco picado e 1 colher de chá com sal . Misturei bem tudo isto , juntei a carne e guardei no frigorífico até ao dia seguinte . Pode-se substituir o garam masala por uma mistura de especiarias moídas que inclua , coentros , pimenta preta e cominhos ( 1 colher de chá de cada ) ,cravinho , canela e noz moscada (1 colher de café de cada ) , mas para quem vive em Lisboa é mais fácil ir ao Martim Moniz comprar , ou ao C.C. Mouras que também lá há – não sei de outros sítios mas deve haver ( no mercado de Alvalade ? ) Adiante . Coloquei os pedaços de frango num prato de ir ao forno e com este bem quente deixei assar durante 20 minutos , passados os quais retirei o prato e escorri a água que se soltara do iogurte , remexi o frango e devolvi-o ao forno por mais 15 minutos para acabar de cozinhar . Quanto ao frango estamos conversados . Quando o frango foi para o forno comecei a preparar o molho , e para isso pus ao lume uma panela onde misturei os seguintes ingredientes : 1 lata de tomate pelado aos pedaços ¼ de pimento verde 1 malagueta sem as sementes (pode ser 1 colher de chá de piri piri) 1 dente de alho picado 1 colher de sopa com gengibre picado 2 cravinhos 1 colher de chá com sementes de cardamomo sal 2 chávenas de água Ao fim de 20 minutos usei a varinha mágica para desfazer aquilo tudo e voltou para o lume mais 10 minutos , findos os quais juntei um pacote de natas , misturei e pus o lume no mínimo para não dar cabo das natas . Também juntei uma colher de mel para cortar a acidez do tomate . O molho engrossa e pouco depois está pronto para ser deitado em cima do frango . Antes de levar para a mesa juntei uns coentros frescos picados . Para acompanhar havia arroz basmati e umas tortilhas de trigo mexicanas que depois de aquecidas na torradeira fazem as vezes de chapatis indianos

Chicken Tikka Massala - the story

Quando me pediram a receita do Frango Tikka Masala decidi que iria procurá-la num dos meus livros de cozinha indiana e depois cozinhar esse prato durante o fim de semana , para poder fazer um relato em primeira mão . Quando cheguei a casa estranhei que uma receita tão conhecida não aparecesse em nenhum dos meus livros , mas não desisti , o passo seguinte era uma busca no google . Aí encontrei várias receitas e escolhi uma delas , mas o mais curioso foi ter descoberto que este prato é originário do Reino Unido , sendo , por assim dizer , uma espécie de Chop Suoy da cozinha indiana , ou seja , uma invenção do ocidente , usando a cozinha do oriente . Das várias histórias , a que mais me agradou foi aquela que refere um cliente num restaurante em Glasgow que desejava molho para o seu frango tandoori e o chef desse restaurante terá misturado uma lata de sopa de tomate Campbell , umas colheres de especiarias e um pouco de natas para satisfazer a gulodice do cliente . Assim sendo , frango tikka massala é na verdade frango marinado em iogurte e especiarias e depois grelehado (chicken tikka ) ao qual alguém decidiu juntar uma molho à base de tomate e enriquecido com natas . Ainda hoje vou aqui colocar a receita que usei

7.2.05

Caril de legumes

A primeira coisa a fazer é preparar os legumes e assim eu descasquei e cortei três batatas em cubos , duas cenouras às rodelas , uma cebola também às rodelas e piquei um pedaço de gengibre do tamanho de ... dois dentes de alho ?!?!?!? Sobre o gengibre , contou-me a Adriana , recém chegada do Brasil que por lá aprendeu a descascar o gengibre com uma colher de chá , tentei mas não percebi a vantagem , ela vai ter de me explicar melhor e até lá vou continuar a raspá-lo com se fosse uma cenoura . Como gosto de juntar couve-flor ao caril de legumes , usei uma pequena ( pouco maior que um punho fechado !) e depois de a ter partido , cozi-a em água e sal . Não a juntei crua aos outros legumes porque a água da cozedura dessa couve tem um muito acentuado cheiro a …. couves e assim cozo-a à parte e junto-a no final . Para começar a cozinhar, pus uma panela ao lume e deitei lá 4 ou 5 colheres de sopa com óleo , ao qual depois juntei uma colher de sopa com sementes de mostarda preta –que se vende nas mercearias indianas , quando as sementes começam a estoirar junto a cebola e o gengibre . Dou uma mexidela e deixo-os refogar enquanto preparo o pó mágico que vai encher tudo aquilo de aromas do oriente . 1 colher de chá com curcuma (açafrão das índias ) 1 colher de chá de garam massala (* ver nota) 1/2 colher de café com cominhos 1/2 colher de café com pimenta de caiena Antes de juntar esta mistura cheirosa ,temperei com sal e deitei três tomates ( de lata pois não há tomates maduros agora ) muito bem picados sobre o refogado e depois juntei as especiarias e coloquei a tampa . Passados 10 minutos em lume brando juntei os legumes crus (a couve flor fica à espera ) , misturei tudo bem e recoloquei a tampa . Passados outros 10 minutos juntei meio copo com àgua . Regressa a tampa e a espera , desta vez 20 minutos para que os legumes cozam bem . Pouco antes de acaberem estes 20 minutos juntei a couve-flôr ( finalmente ) . Depois de apagar o lume juntei coentros picados e sumo de meio limão . E depois ? Bem , depois fiz como na receita do Arroz com batata e abóbora , mas coloquei no meio este caril e comi acompanhado com uma tigela de iogurte magro batido e temperado com sal e cominhos em pó . Nota: O garam massala vende-se no mesmo sitio das sementes de mostarda e é uma mistura de várias especiarias moídas ( cravinho , cominhos , sementes de coentros , canela . pimenta preta , cardamomo etc )

O bolo de chocolate da Ana

Recebi por email uma receita que aqui trancrevo . Ainda não experimentei mas a minha amiga Ana merece toda a confiança . Manda mais ... 200 chocolate p/ culinária 200 manteiga s/sal 200 açúcar 4 ovos 100 farinha. c/ fermento 1º aquecer forno 230º e barrar uma forma com fundo amovível 23cm de diâmetro com margarina. no fundo colocar rodela de papel vegetal e barrar outra vez, polvilhar com farinha 2º derreter juntos a manteiga e o chocolate partido . 3º ao mesmo tempo bater os ovos com o açúcar no máximo até ficar branco 4º envolver sem misturar o 2º com o 3º 5º envolver a farinha em chuva 6º vai ao forno e retirar passados 12 minutos . Está liquido por baixo mas é mesmo assim deixar arrefecer e pôr no frigorifico 7º depois de bem frio retirar os lados da forma, polvilhar com açúcar em pó, e virar sobre um tabuleiro retirar o fundo, com a ajuda de uma faca, e tirar também o papel vegetal.. Voltar a virar sobre um prato liso e polvilhar com mais açúcar em pó Acompanhar com natas batidas sem açúcar e doce de morango